O surgimento da auriculoterapia.


Desde a antiguidade o pavilhão auricular tem sua importância terapêutica reconhecida por diversas civilizações, existem registros da sua utilização no Egito antigo, na Grécia, no Sri lanka e em vários outros países, inclusive na China, lá foram encontrados vestígios milenares (770 – 476 a.C.) da realização de procedimentos terapêuticos auriculares como, cauterizações, puncturas, moxabustão e raspagens.

A Auriculoterapia nos moldes em que é praticada hoje, surgiu a partir do

s trabalhos investigativos do médico Francês Paul Nogier, realizados na cidade de Lyon na década de 1950. Nogier se interessou por estudar o pavilhão auricular, após observar que diversas pessoas que chegavam ao seu consultório, apresentavam cauterizações em pontos da orelha, estas lesões eram resultado de um tratamento alternativo para dor ciática, apesar de rudimentar e dolorido, o procedimento se mostrava bastante eficaz.


Estimulado pelos relatos de melhora após as tais cauterizações, Nogier deu início à pesquisa por meio da qual mapeou diversos pontos auriculares, um dos pilares do seu trabalho, foi investigar a região da orelha onde eram feitas as cauterizações para alívio da dor ciática, esta, corresponde a uma pequena área localizada na parte superior da anti-hélix, isso o levou a acreditar que existe uma correspondência entre aquela área do pavilhão auricular, e a região lombar da coluna vertebral, local de origem da dor ciática, aprofundando seus estudos, Nogier chegou à conclusão de que a orelha representa um ser humano em posição pré-natal, portanto, a coluna vertebral, e o corpo como um todo estão de cabeça para baixo, seguindo a mesma lógica outras correspondências foram observadas e catalogadas.



Ao constatar que a orelha representa um feto em posição pré-natal, Nogier abriu um novo horizonte para a evolução da auriculoterapia, em 1958 um artigo com suas pesquisas foi publicado na revista de Medicina Tradicional de Shangai, esse trabalho relacionava alterações observadas em determinadas regiões do pavilhão auricular, com patologias dos órgãos internos, e propunha o primeiro mapa de pontos auriculares.


Tendo como ponto de partida os estudos de Nogier, foram criados grupos de estudo em várias cidades da China com o objetivo realizar observações clínicas, e pesquisa experimental básica. Portanto, atualmente existem duas grandes escolas de auriculoterapia, cada uma com seus métodos, mapas de pontos, e protocolos próprios, são elas:


A escola de auriculoterapia Francesa, também conhecida como auriculomedicina, essa escola vem dos estudos do médico Paul Nogier, fundamenta-se basicamente na neurofisiologia, e apresenta uma visão mais ocidental da auriculoterapia, seu principal representante é o filho do próprio Paul Nogier, Raphael Nogier que também é médico, e da continuidade aos estudos realizados por seu pai.


A segunda escola de auriculoterapia é a Chinesa, derivada dos estudos desenvolvidos pelos vários grupos de pesquisa chineses, esse modelo de auriculoterapia, apresenta uma visão mais holística do ser humano, e tem como bases as teorias o Yin Yang, os cinco elementos, e todos os fundamentos da Medicina tradicional Chinesa.